quarta-feira, 17 de novembro de 2010

RESUMO DO LIVRO LEVIATÃ - THOMAS HOBBES

Um breve resumo do livro: Leviatã (Autor: Thomas Hobbes) para o Curso de Bacharel em Direito 


"Leviatã" foi um livro publicado por Thomas Hobbes no período da tomada do poder na Inglaterra por Oliver Cromweel, quando a Inglaterra deixa de ser uma monarquia e passa a ser uma república governada por um militar (1651). Hobbes identificava o "Leviatã" como um monstro bíblico, uma espécie de grande hipopótomo de que fala o livro de Jó, precisando "que não há poder sobre a terra que se possa comparar". Hobbes vivia numa época de grande instabilidade política, assim, toda a sua mecânica foi direcionada na busca da paz pessoal, social e política.

No livro "Leviatá" ele faz um estudo do comportamento do homem no estado de natureza até seu encontro com o homem artificial - O Estado/O "Leviatã".

Com relação aos homens naturais cabe ressaltar que os hhomens no estado de natureza são egoístas, luxuriosos, inclinados a agredir os outros e insaciáveis, condenando-se, por isso mesmo, a uma vida solitária, pobre, repulsiva, animalesca e breve. Neste estado não existe senso do que é justo u injusto, nem o que se pode ou não pode fazer porque os homens vivem de acordo com suas paixões e interesses em busca dos seus desejos e por serem desejos semelhantes os homens vivem em constante conflito.

No entanto, por uma inclinação racional o homem percebe que não deve querer para os outros aquilo que não quer para si e para isso precisa renunciar aos seus direitos, transferindo-o a um poder irresistível que o conduza e o controle. Nasce o homem artificial através de um pacto voluntário firmado entre os homens, tendo em vista a própria proteção, a fim de saírem, do instável estado de natureza, para a libertação e salvação.

Com relação ao homem artificial cabe ressaltar que "A natureza não colocou no homem o instito de sociabilidade; o homem só busca companheiros por interesse; por necessidade; a sociedade política é o fruto artificial de um pacto voluntário, de um cálculo interesseiro".   

O terceiro - Com o contrato o homem transfere a um terceiro os seus interesses, que substituirá a vontade detodos. Ele é detentor de tanto poder e força que se torna capaz, graças ao terror que inspira, de dirigir as vontades de todos à paz no interior e ao auxílio mútuo contra os inimigos no exterior. O contrato não é firmado com o detentor do poder, mas entre os homens que renunciam, em proveito desse senhor, a todo direito e toda liberdade nociva à paz. 

Monarquia versus Democracia - Hobbes preferia a forma de governo Monárquica porque para ele na monoarquia o interesse público coincide com o interesse privado, facilitando a realização dos interessses dos súditos, pois o governante precisa do bem-estar destes para manter o seu próprio bem-estar.

A renúncia - A renúncia através do contrato de ve ser absoluta, total e irrevogável, do contrário, o estado de guerra natural continuaria entre os homens, na justa medida em que tivessem conservado, por pouco que fosse, a liberdade nautral. Assim, o soberano poderá garantir a igualdade perante a lei, porque poder absoluto não é ausência de arbítrio, pois através da legalidade ele realizará os interesses dos homens. Quando isso acontece o Estado consegue atingir a paz social e o " Leviatã" deixa de ser aquele monstro bíblico e passa a ser humano.

Claudia Lima

9 comentários:

  1. Excelente resenha. Me foi muito útil.
    http://www.marvincode.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Graças às redes sociais, o público em geral passa a ter a oportunidade de ter contato com os Clássicos, que ajudam na formação social, política e filosófica. Excelente iniciativa!

    ResponderExcluir
  3. O conteúdo está bom, no entanto o Leviatã não é um hipopótamo, hipopótamo é Behemoth, enviado por Deus para matar o Leviatã.

    Não obstante diferentes interpretações, o Leviatã aparece na Bíblia (Livro de Jó 40/41) sob a forma do maior dos animais aquáticos, como um crocodilo ou então na forma de um enorme peixe, uma baleia. O behemoth, como animal terrestre representado sob a forma de um hipopótamo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima correção, o texto foi muito bem escrito, embora alguns erros ortográficos e de formatação sejam observados (e que podem ser todos erros de formatação, haja visto que alguns programas de formatação de textos não atendem às peculiaridades da Língua Portuguesa...) e a imagem do leviatã citada no início do texto estava contrária à definição bíblica...muito bem corrigido!

      Excluir
  4. O conteúdo está bom, no entanto o Leviatã não é um hipopótamo, hipopótamo é Behemoth, enviado por Deus para matar o Leviatã.

    Não obstante diferentes interpretações, o Leviatã aparece na Bíblia (Livro de Jó 40/41) sob a forma do maior dos animais aquáticos, como um crocodilo ou então na forma de um enorme peixe, uma baleia. O behemoth, como animal terrestre representado sob a forma de um hipopótamo.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom!! Li esse livro aos 16 anos... Provavelmente agora aos 48 terei outra interpretação... Vou ler novamente...

    ResponderExcluir
  7. Muito legal, uma obs: a Bíblia, como a maioria das pessoas pensam não serve apenas para impor valores, regras para a sociedade, mas também para nos ajudar a nos entendermos, serve de base também para a maioria dos escritores, que de forma diferente aqui ou ali sempre se inspiram nela. A Bíblia, é conhecimento! (não to agindo como uma religiosa fanática)

    ResponderExcluir